MMIPO

Loja
CapaMMIPO
Museu e Igreja da Misericórdia do Porto
Preço 10 €
Adicionar ao carrinho
Caneca
Caneca do MMIPO
Preço 4 €
Adicionar ao carrinho
Saleiro_2
Saleiro da Misericórdia do Porto
Preço 25 €
Adicionar ao carrinho
Bloco de Notas
Bloco de notas
Preço 3 €
Adicionar ao carrinho
Lapis
Lápis MMIPO
Preço 1 €
Adicionar ao carrinho
Notepad
Bloco de notas
Preço 2 €
Adicionar ao carrinho
Borrachas
Borrachas MMIPO
Preço 1 €
Adicionar ao carrinho
Esferografica
Esferográfica MMIPO
Preço 1.5 €
Adicionar ao carrinho
Lapis flexi
Lápis flexi MMIPO
Preço 1 €
Adicionar ao carrinho
obras
As Catorze Obras de Misericórdia
Preço 15 €
Adicionar ao carrinho
prelada
Casa da Prelada - D. Francisco de Noronha e Menezes
Preço 25 €
Adicionar ao carrinho
domingos_cruz
Domingos Cândido Braga da Cruz - O Homem e a Obra
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
Fons Vitae
Fons Vitae
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
Igreja Privativa
Igreja Privativa da Misericórdia do Porto
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
conde
Joaquim Ferreira dos Santos - Conde de Ferreira
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
semide
Manuel José Rodrigues Semide
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
Roteiro
Roteiro do Museu da Misericórdia do Porto
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
tesouros
Tesouros Artísticos da Misericórdia do Porto
Preço 30 €
Adicionar ao carrinho
Cadernos perfumados
Cadernos perfumados
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
Fita lanyard
Fita Azulejos da Igreja
Preço 4 €
Adicionar ao carrinho
Leques
Leque Fons Vitae
Preço 4 €
Adicionar ao carrinho
Puzzle 1
Puzzle Fons Vitae
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
Puzzle 2
Puzzle Sagrada Família
Preço 5 €
Adicionar ao carrinho
Espaço, Arte e Memória: O Cemitério da Santa Casa da Misericórdia do Porto

Gonçalo de Vasconcelos e Sousa


Edição: Santa Casa da Misericórdia do Porto
Ano: 2010
ISBN: 978-972-98920-6-6
Língua: português
Dimensões: 28×22cm
Peso: 1150g
N.º de páginas: 168
Encadernação: capa dura


"(...) "Sepultar os mortos" é uma das Obras de Misericórdia, assim honrando os restos mortais do que foi a vida vivida e convivida, perpetuando-a também pela memória, como pelo sufrágio. As Santas Casas sempre tiveram tal obrigação e cuidado, sendo, ainda nisso, grandes servidoras da dignidade humana, no seu sentido mais pleno. (...)" (Manuel Clemente)

Índice: Capítulo I - O Cemitério do Prado do Repouso e a Instalação da Secção Privativa da Santa Casa da Misericórdia do Porto; Capítulo II - As Construções Cemiteriais e a Santa Casa da Misericórdia do Porto; Álbum da Capela, Cruzeiro e Jazigos da Secção Privativa da SCMP no Cemitério do Prado do Repouso - I. Capela e Cruzeiro da Secção Privativa da Santa Casa da Misericórdia do Porto; II. Jazigo do Dr. José Plácido Campiam; III. Jazigo de Manuel José de Sousa Araújo; IV. Jazigo de José da Silva Passos e de sua mulher, D. Ana Margarida Soares da Silva Passos; V. Jazigo de José Pinto Soares e de sua mulher, D. Emília Delfina da Costa Soares; VI. Jazigo de Félix Las Cazas dos Santos, 1.º Visconde de Las Cazas; VII. Jazigo de Augusto Roquemont; VIII. Jazigo do Comendador Manuel Francisco Duarte Cidade; IX. Jazigo dos Mártires da Liberdade; X. Jazigo da Família de António Rodrigues de Araújo Lima; XI. Jazigo de Francisco José Nogueira; XII. Jazigo de José Joaquim Aguiar; XIII. Jazigo da família de António Joaquim Fernandes Magalhães; XIV. Jazigo de D. Sebastião Leite de Vasconcelos, Arcebispo de Damieta; XV. Jazigo de Joaquim Lopes Fernandes e de sua mulher; XVI. Jazigo da família de Severim José de Brito; XVII. Jazigo dos Viscondes da Ermida; XVIII. Jazigo do Coronel-Médico Mário de Castro; XIX. Jazigo da família Albano Alves Meruja; XX. Outros jazigos da Secção Privativa da Santa Casa da Misericórdia do Porto.

espaco
Adicionar ao carrinho
História da Santa Casa da Misericórdia do Porto (vol. 1)

Artur de Magalhães Basto


Edição: Santa Casa da Misericórdia do Porto (2.ª ed.)
Ano: 1997
ISBN: 972-96628-3-5
Língua: português
Dimensões: 24×17cm
Peso: 1690g
N.º de páginas: 592
Encadernação: capa dura


"Antes de mais, Magalhães Basto não se limita a reconstituir as origens da Confraria do Porto mas cava mais fundo: A História de Portugal é o enquadramento natural sempre presente. Abordando as origens nacionais desse movimento fantástico que foi o da fundação das Misericórdias, realçando de forma convincente e esclarecida as virtudes dessa sublime mulher, a Rainha Senhora Dona Leonor, Magalhães Basto olha muito para além dos muros da sua cidade. Nessa medida, o trabalho presente significa um importante subsídio para a história dos movimentos de solidariedade social em Portugal." (Francisco Ribeiro da Silva)


Índice: Das Origens até 1584 (I. A Época; II. A Rainha D. Leonor; III. Fundação das Misericórdia; IV. A «Ressurreição» de Contreira; V. Como se formou uma lenda; VI. Da Originalidade das Misericórdias Portuguesas; VII. O Burgo Portuense no século; VIII. A primeira sede da Misericórdia do Porto; IX. Para o seu Destino...; X. O Misterioso «Fons Vitae»; XI. Das antigas casas de caridade portuense; XII. Os primeiros hospitais da Misericórdia; XIII. Lançando raízes; XIV. A Misericórdia na Rua das Flores; XV. A Máquina Administrativa da Irmandade; XVI. «Não amemos de palavra... Mas por obra e em verdade!»; XVII E a noite ia descendo...) Notas e Documentos (I. Iconografia da Rainha D. Leonor, II. Auto do Inquérito da Ordem da SS. Trindade, III. D. Manuel I e a Misericórdia da Lisboa, IV. O Compromisso de 1490 da Misericórdia de Florença, V. O primeiro Compromisso da Misericórdia do Porto, VI. A «charola» da Sé do Porto e a Capela dos Alãos, VII. Pedro Julião ou Papa João XXI, VIII. Bispo D. Julião Fernandes, IX. O Padre André Coutinho e as tapeçarias da História da Índia, X. A peste ou tabardilho de 1575).


santa_casa_vol1e2
Adicionar ao carrinho
História da Santa Casa da Misericórdia do Porto (vol. 3)

Eugénio de Andrea da Cunha e Freitas


Edição: Santa Casa da Misericórdia do Porto
Ano: 1995
ISBN: 972-96628-1-9
Língua: português
Dimensões: 24×17cm
Peso: 1555g
N.º de páginas: 592
Encadernação: capa dura


"(...) onde terminou a investigação do Dr. Artur de Magalhães Basto, em particular no Arquivo Histórico da Santa Casa da Misericórdia do Porto, iniciaria os seus estudos o Dr. Eugénio de Andrea da Cunha e Freitas. Dessa valiosa investigação, publica-se o terceiro volume da História da Santa Casa da Misericórdia do Porto (...). As investigações dos Drs. Artur de Magalhães Basto e Eugénio de Andrea da Cunha e Freitas privilegiaram a massa documental em arquivo na Misericórdia do Porto, fonte inesgotável de história da Santa Casa e da cidade do Porto." (Rui Osório)


Índice: Capítulo I: Os Benfeitores; Capítulo II: Mais alguns benfeitores, nos séculos XVI e XVII; Capítulo III: Do Governo da Misericórdia; Capítulo IV: Dos Provedores e Escrivães da Casa; Capítulo V: Os Compromissos de 1594 e 1646; Capítulo VI: Provedores e Escrivães depois do Compromisso (1643-1772); Capítulo VII: A Igreja da Misericórdia (1610-1683); Capítulo VIII: A Igreja da Misericórdia (1688-1770); Capítulo IX: A nova Sacristia e a Capela do Pátio; Capítulo X: Casa do Despacho, Cartório e outras dependências; Capítulo XI: Órgãos, Organeiros e Organistas. A Capela de Música da Misericórdia; Capítulo XII: Dois graves incidentes com a Mitra; Capítulo XIII: O Hospital de D. Lopo de Almeida (1635-1770); Capítulo XIV: Médicos, Cirurgiões e Sangradores; Capítulo XV: Botica e Boticários; Capítulo XVI: A Misericórdia e a Restauração.


santa_casa
Adicionar ao carrinho
Os Mártires da Liberdade e a Santa Casa da Misericórdia do Porto

Francisco Ribeiro da Silva


Edição: Santa Casa da Misericórdia do Porto
Ano: 2014
ISBN: 978-989-8578-13-6
Língua: português

Dimensões: 24×17,2 cm

Peso: 208g
N.º de páginas: 90
Encadernação: capa mole


Durante a primeira metade do séc. XIX, Portugal foi palco de antagonismos políticos e de ruturas que puseram portugueses contra portugueses e alimentaram a intolerância e o ódio. A década de vinte conheceu picos de radicalismo e de violência entre miguelistas e liberais, de parte a parte, e, durante os breves anos em que D. Miguel dirigiu o reino, instalou-se um clima de perseguição feroz aos que, dentro e fora do país, se opunham aos seus intentos. A Alçada por ele nomeada para investigar e julgar sumariamente os implicados, diretos e indiretos, nas revoltas liberais do Porto e Aveiro de 1828, tinha como desígnio esmagar definitivamente a onda revolucionária que desde 1820 sacudia o reino. Por isso, condenou à morte várias dezenas de portugueses, dos quais doze foram efetivamente enforcados na Praça Nova, no Porto. A vitória final do Liberalismo depressa os consagrou como Mártires da Liberdade ou Mártires da Pátria. A Santa Casa da Misericórdia do Porto envolveu-se profundamente no rescaldo da punição judicial pronunciada pela Alçada, dando sepultura digna aos condenados, primeiro no Adro dos Justiçados (1829), depois no átrio anexo à sua igreja (1836), finalmente na sua glorificação pública pela transladação para um monumento adequado no talhão da Misericórdia do Cemitério do Prado do Repouso (1878).


martires_da_liberdade
Adicionar ao carrinho
A utilização de cookies neste website tem como principal objetivo melhorar a sua experiência.
Ao clicar em qualquer link nesta página está a dar-nos a permissão para usar cookies.