Exposição Cruz-Relicário do Santo Lenho | Materialidade e espiritualidade
Atividade no âmbito do protocolo com a Direção Geral do Património Cultural

Cruz-Relicário 

Séc. XVI (1ª metade)

Prata e prata dourada, relevada, incisa e recortada

67 x 46 x 2,2 cm

MNMC6090


Cruz latina com a escultura de vulto de Cristo crucificado, contendo um relicário na interseção da haste com os braços. De seção retangular, em prata dourada e cinzelada, a cruz apresenta decoração imitando veios de madeira, contendo o relicário octogonal protegido por mostruário em cristal de rocha facetado, composto por moldura oval polilobada, decorada por cordão de espinhos e por um renque de flores-de-lis. No interior do mostruário, encontra-se a relíquia do Santo Lenho, inserida num pequeno nicho, com vão em arco conopial esmaltado a azul. O nicho é ladeado por finos pináculos e rematado por uma cruz. O reverso da cruz é decorado, na interseção da haste com os braços, por finas incisões de lágrimas e uma coroa de espinhos. 

No conjunto de relíquias que o Cristianismo venera, a mais reverenciada é, sem sombra de dúvida, a do Santo Lenho, pequenos fragmentos de madeira retirados da cruz em que Cristo foi crucificado. Este culto ocorre após a descoberta da Santa Cruz, nos finais do séc. III, em Jerusalém, no Monte Calvário, por Santa Helena, mulher do imperador Valério Constâncio e mãe do futuro imperador Constantino. Posteriormente, seria repartida entre os crentes do Oriente e do Ocidente ao longo dos séculos em minúsculos pedaços por toda a Cristandade.

Além de conter essa partícula sagrada, esta cruz-relicário - datada da primeira metade do século XVI e proveniente do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra - apresenta um notável trabalho de prata cinzelada e dourada, simulando a naturalidade dos veios da madeira que estabelece acentuado contraste com o polimento e o brilho da prata do corpo de Cristo.



image magnify