Do Retrato à Falerística
D. Manuel II e a Misericórdia do Porto

Cognominado de "o Patriota" ou "o Desventurado", D. Manuel II (1889-1932), o último Rei de Portugal, foi Benfeitor e Provedor Honorário da Santa Casa da Misericórdia do Porto.

No seu testamento, lavrado em 20 de setembro de 1915, o Monarca, então exilado em Inglaterra, mais propriamente em Fulwell Park, Twickenham, onde residiu até à sua morte, ocorrida em 2 de julho de 1932, legou à Misericórdia do Porto o Palácio dos Carrancas com o objetivo de neste imóvel ser instalado um hospital de doentes.

Após D. Augusta Vitória de Hohenzollern e D. Amélia de Orleães e Bragança, mulher e mãe do Monarca, respetivamente, terem renunciado ao usufruto do imóvel, a Misericórdia do Porto tomou posse do edifício numa cerimónia, realizada a 20 de julho de 1934, que teve grande eco na imprensa portuense. Nesta ocasião era Provedor da Santa Casa o Dr. António Luís Gomes.

Apesar das diligências para instalar um Hospital de Crianças no Palácio, a Misericórdia acabou por não conseguir cumprir a vontade de D. Manuel II, pois, em 1937, o Palácio foi expropriado pelo Estado Português com o propósito de aí instalar o Museu Nacional de Soares dos Reis e as coleções mais valiosas do Museu Municipal.

O Retrato de D. Manuel II

Constituída por cerca de 460 obras, a coleção de pintura de retrato da Santa Casa da Misericórdia, para além de perpetuar a memória dos benfeitores da instituição, constitui uma fonte essencial para o estudo de áreas como a ourivesaria e a falerística.

O retrato de D. Manuel II foi executado por Joaquim Vitorino Ribeiro em 1908, depois da subida do Monarca ao trono, na sequência do Regicídio que vitimou o seu pai, D. Carlos I, e o seu irmão, o Príncipe Luís Filipe.

D. Manuel está representando com o uniforme de Almirante-General da Armada, concebido para uso pessoal. Na sua qualidade de Monarca e Grão-Mestre das Ordens Reais, enverga o colar de oficial da antiga e muito nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, a placa da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, a placa das três ordens - Cristo, Avis, Santiago - e, ainda, a faixa da Grã-Cruz das três ordens.

Este retrato foi apresentado a 16 de novembro de 1908 na sede da Misericórdia do Porto, na Rua das Flores, por ocasião da memorável visita de D. Manuel II ao Porto, sendo na altura Provedor o Dr. José António Forbes de Magalhães. O Rei visitou também o Hospital de Santo António, o Hospital Conde de Ferreira e o Instituto Araújo Porto.

Conheça outras figuras condecoradas no Museu.


A utilização de cookies neste website tem como principal objetivo melhorar a sua experiência.
Ao clicar em qualquer link nesta página está a dar-nos a permissão para usar cookies.